Cotidiano

Governo de SP quer transformar escolas com baixo Ideb em cívico-militares

Nessas unidades, policiais militares aposentados vão atuar na disciplina dos alunos. Projeto foi enviado à Assembleia Legislativa

O governo do Estado de São Paulo enviou esta quinta-feira (7) o projeto de lei para a criação do Programa Escola Cívico-Militar à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

A intenção é transformar escolas com baixo índices de avaliação, como o Ideb, nessas unidades, tendo policiais militares aposentados na condução da disciplina e no civismo dos alunos.

“O projeto está pronto, a gente vai encaminhar e é o primeiro passo que vamos dar nesse sentido. A gente não quer ficar só na escola cívico-militar, também temos o projeto de criar em São Paulo o Colégio da Polícia Militar”, afirmou o governador Tarcísio de Freitas.

Segundo o governador, haverá também consulta pública sobre o tema. “O projeto de escola cívico-militar não impõe. A gente vai sugerir algumas escolas, a comunidade vai votar e, de acordo com a votação de pais de alunos e professores, a gente transforma a escola em cívico-militar com policiais militares da reserva que vão atuar na disciplina e no civismo, mas não na parte pedagógica”, acrescentou.

O foco serão escolas com índices de rendimento inferiores à média estadual, atrelados a taxas de vulnerabilidade social e fluxo escolar – aprovação, reprovação e abandono.

Além das escolas estaduais, unidades municipais de ensino também poderão aderir à iniciativa do Governo do Estado.

A Secretaria da Educação será responsável pelo currículo das escolas cívico-militares, formação de professores e adequação dos prédios. Já a Secretaria da Segurança Pública vai indicar policiais militares da reserva que atuarão como monitores nas unidades de ensino, desenvolvimento de atividades extracurriculares na modalidade cívico-militar, organização e segurança escolar.