Brasil

Bolsonaro nega tentativa de fuga ou pedido de asilo em pernoites na embaixada

Ex-presidente diz que discutiu temas políticos com autoridades da Hungria durante as duas noites passadas no local, logo após ter o passaporte apreendido

Nem tentativa de fuga e nem pedido de asilo. Durante as duas noites em que passou na embaixada da Hungria, o ex-presidente Jair Bolsonaro teria discutido assuntos políticos com autoridades. Esse foi o argumento apresentado por sua defesa em ofício ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que investiga o caso.

Na segunda-feira (25), o jornal The New York Times revelou que Bolsonaro foi para a embaixada da Hungria poucos dias após ter tido o passaporte apreendido pela Polícia Federal em operação sobre tentativa de golpe de Estado. Moraes, relator da investigação, deu 48h para o ex-presidente explicar as pernoites. No ofício, os advogados dizem que Bolsonaro tem amizade com autoridades húngaras e foi para a embaixada tratar de temas políticos.

A estadia gerou suspeitas porque, de acordo com o direito internacional, o terreno de uma embaixada é de soberania do país representado. Por isso, eventuais agentes brasileiros só poderiam chegar a Bolsonaro com autorização do governo húngaro.