• Hoje é: quarta-feira, dezembro 12, 2018

Secretário da Saúde passa vergonha e não consegue explicar falta de medicamentos

Lins e Vido
portalregiaooeste
outubro03/ 2018

O secretário de saúde, José Carlos Vido (PSDB) passou vergonha durante a audiência pública realizada na Câmara de Osasco para prestação de contas da Secretaria. Suas respostas não convencerem e ficou evidenciado a má gestão da pasta. Dois pontos chamaram bastante atenção, a cobrança do legislativo sobre a falta de medicamentos que segundo Vido, que está há 22 meses à frente da Saúde, “Não é uma coisa que se resolva com uma varinha mágica” e o atraso no pagamento dos médicos, os profissionais estão há 3 meses sem receber. “É um exagero, os médicos sabem que atrasa, é a regra do jogo e ninguém assina contrato com a faca no pescoço”.

Sobre a falta de medicamentos nas unidades de saúde e as reclamações sobre os atrasos dos remédios na Farmácia Central, Vido bem que tentou mas não conseguiu explicar os motivos. “São 3 milhões de medicamentos distribuídos mensalmente, não se resolve com varinha mágica”.

Já em relação a falta de pagamento dos médicos da clínica terceirizada Pires & Vanci Serviços Médicos, que presta serviços nas Unidades Básicas de Saúde do município, Vido diz que é exagero. “No primeiro mês de contrato, as empresas apresentam medição ao final de 30 dias e a PMO faz a avaliação, o que acaba causando uma defasagem de 60 dias em relação à nota. Todos que são contratados sabem disso, é a regra do jogo. Ninguém assina contrato com a faca no pescoço”, justificou.

Mesmo visivelmente amedrontados, alguns vereadores da base aliada, como Cláudio da Locadora (PV) que, geralmente concordam com tudo, até “ousaram” questionar o desempenho da pasta na cidade.

“Não queremos criticar, pelo amor de Deus gente, mas queremos entender o que está acontecendo. Queremos que o munícipe seja bem atendido, e dinheiro tem pra isso. Tem muito dinheiro”, disse Locadora visivelmente constrangido.

Já o vereador Nestor do Algodão Doce (PSDB) falou sobre uma experiência vivida por ele. “Foram 4 meses e 10 dias entre marcar, fazer e pegar os resultados de um simples exame de sangue. A Saúde está na UTI. Meu sonho é saber o que está acontecendo”.

O vereador De Paula (PSDB) também falou sobre as longas filas de espera por atendimentos. Segundo ele, 29 mil pacientes esperam por consulta com oftalmologista, outras 7,6 mil pessoas para cirurgia de catarata e 6,3 mil para cirurgia de glaucoma.

big banner