• Hoje é: quinta-feira, dezembro 5, 2019

Por R$ 4,4 milhões, Rogério Lins renova contrato questionado por professores e tribunal

eco1024
portalregiaooeste
novembro28/ 2017

Bastante questionado por grande parte dos professores da rede municipal de educação, o contrato 102/2014, com a Ecolândia, foi renovado pela Prefeitura de Osasco em setembro e confirmado no dia 24 de novembro. Nos próximos 12 meses, o município, por meio da Secretaria de Educação, pagará R$ 4,4 milhões para que estudantes da cidade possam visitar o sítio, que fica em Araçariguama. Vale ressaltar que a Ecolândia pertence ao dono de um dos principais jornais de Osasco e região.

A parceria entre prefeitura e Ecolândia vem dos anos 90, mas em 2008, durante o governo do então prefeito Emidio de Souza (PT), foi realizado um contrato entre as partes que agravou a situação. Conforme Márcia Tavares do Nascimento, professora da rede municipal de Osasco e autora da petição pública “Basta de passeio à Ecolândia”, a partir deste contrato a ida à Ecolândia tornou-se obrigatória, mesmo não havendo qualquer projeto pedagógico para justificá-la.

“Desde 2008 foram mais de R$ 18 milhões do dinheiro da Educação para a Ecolândia. Esse mesmo passeio é feito há 9 anos. O que acrescenta pedagogicamente para as mesmas crianças?”, questionou a autora da petição.

O contrato que vem sendo prorrogado desde 2014 foi feito durante a gestão de ex-prefeito Jorge Lapas (PDT), com duração de 60 meses. “Como professora da rede, considero louvável uma administração que estabelece politicas públicas que priorizam o lazer e o desenvolvimento do conhecimento cultural. No entanto, onde estão os objetivos educacionais quando se leva toda uma rede de ensino a um mesmo lugar por 9 anos?”, questionou a professora Rosemeire Valentim Pazzini, que subscreve a petição.

Além dos professores, o Tribunal de Contas também já questionou a parceria com a Ecolândia. Além disso, em 2016, durante o período eleitoral, a coligação PTN/PRP/PR, que elegeu Rogério Lins prefeito de Osasco, contestou o contrato na Justiça, questionando os valores pagos. Mas agora, na cadeira de prefeito, Lins adota um discurso diferente, não descartando a continuação da parceria. “Vamos fazer uma licitação pública aonde as crianças poderão ir a outros lugares. Por exemplo, se o Sítio Mar-Mar for o vencedor da licitação, as crianças vão a este local e poderão ir a outros, como zoológico, Aquário de São Paulo e Hopy Hari”, declarou Rogério Lins ao Jornal do Trem.

Durante reunião com o Sintrasp (Sindicato dos Trabalhadores em Serviços Públicos de Osasco e Cotia), em maio deste ano, Ana Paula Rossi, secretária de Educação de Osasco, ao falar sobre a Ecolândia, também afirmou que havia interesse em dar aos alunos oportunidades de conhecer outros locais, como museus e exposições, entre outros locais. Apesar disso, a secretária, respeitando um suposto parecer do Jurídico da prefeitura, preferiu renovar o contrato.

Diante de todas as questões apresentadas por professores da rede municipal sobre a relevância desta atividade e também do valor que será gasto, cabe questionar se o melhor caminho não seria cancelar este contrato.

A reportagem do Portal Região Oeste entrou em contato com a prefeitura de Osasco sobre os fatos mencionados e foi informada que o secretário responsável estava fora da cidade. O Portal publicará as respostas assim que forem enviadas.

big banner