• Hoje é: quarta-feira, fevereiro 20, 2019

Com salários atrasados, médicos do Hospital A. Giglio prometem paralisar serviços

lins2
portalregiaooeste
fevereiro01/ 2019

Os médicos do Hospital Municipal Antônio Giglio (HMAG) ainda não receberam os salários de dezembro. E, para piorar ainda mais a situação, segundo o Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), os profissionais atuam sem vínculo empregatício, apenas com contrato verbal. De acordo com o presidente do Simesp, Eder Gatti, caso não haja a regularização dos pagamentos e efetivação dos contratos, existe a possibilidade de paralisação. “Como o hospital não tem nenhum controle por não ter contrato de trabalho, pode haver desassistência”.

Para Gatti o modelo adotado pela gestão Lins é irresponsável, pois coloca os médicos em condições precárias de trabalho, privados de direitos trabalhistas e sujeitos a calotes. “Como consequência disso, médicos acabam deixando seus postos de trabalho por não suportarem a situação e quem mais sofre é o paciente, que depende do atendimento de uma rede de saúde desestruturada”, explica.

Os médicos do HMAG foram quarteirizados, já que prestam serviços para uma empresa contratada da organização social (OS) Instituto Social Saúde Resgate à Vida (ISSRV), que administra o hospital. De acordo com Gatti, essa situação está cada vez mais comum na saúde de Osasco. “O descaso do prefeito Rogério Lins não é mais novidade, a prefeitura terceirizou grande parte da mão de obra médica e, como resultado, agora temos o sucateamento da saúde do município”, afirma.

big banner