• Hoje é: segunda-feira, janeiro 24, 2022

Boulos faz palestra sobre a luta por moradia e os desafios dos movimentos sociais

Foto: Reprodução Facebook
portalregiaooeste
março05/ 2018

Pré-candidato a presidência da República pelo PSOL e coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos ministrou a quinta aula do curso “Brasil: Política, Economia e Sociedade no Século XXI”, no dia 26 de fevereiro, em Osasco. A inciativa é uma promoção da subsede da CUT-SP em Osasco, em parceria com o Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região.

O tema abordado pelo pré-candidato foi a “Formação, trajetória e os novos desafios dos movimentos sociais brasileiros”. Boulos começou falando sobre a organização e ocorrência de inúmeras revoltas populares, desde o Brasil Colônia. Destacou as revoltas indígenas e escravas, citando o Quilombo de Palmares, em Alagoas, liderado por Zumbi. Juntos, índios, negros e camponeses lutaram contra a opressão de Portugal.

Elencou a importância do movimento sindical na organização e na defesa dos direitos da classe trabalhadora brasileira. Também reafirmou a unidade na luta dos sindicalistas com os movimentos populares. Em seguida, descreveu sua trajetória nos movimentos populares em defesa de moradia. Destacou que foi em Osasco, há quase 20 anos, que participou pela primeira vez da organização de um movimento popular para ocupar uma área.

Depois, Boulos apresentou a trajetória do MTST, que há 20 anos luta pelo direito à moradia. Registrou que, apesar de ser um direito constitucional, no Brasil mais de seis milhões de famílias não têm acesso à moradia digna.

Ao falar sobre a conjuntura política, enfatizou que, nos últimos dois anos, o MTST, a Frente Povo Sem Medo e Frente Brasil Popular estão lutando contra o golpe de estado que retirou Dilma da presidência. Mostrou que, em 2017, o governo Temer destinou apenas 9% dos recursos previstos no orçamento federal para a moradia. Enquanto enfraquece o programa Minha Casa Minha Vida, prejudicando especialmente as famílias de baixa renda, a Caixa Econômica ampliou o limite de financiamento para imóveis de luxo, comprovando que no governo Temer o povo deixou de ser prioridade.

Boulos afirmou que é necessário manter a união entre os movimentos populares, sindicatos e partidos de esquerda para enfrentar a agenda conservadora do PMDB/PSDB. Alguns dos principais problemas dessa agenda, segundo ele, são: o teto de gastos públicos, a reforma trabalhista, a terceirização ilimitada e a reforma da previdência.

Em relação às eleições presidenciais, defendeu o direito de Lula ser candidato e condenou sua prisão sem provas, criticando a atual aliança conservadora, que une parte do empresariado, a grande mídia e o judiciário. Boulos reafirmou sua pré-candidatura a Presidente da República, frisando que os partidos de esquerda devem, fraternalmente, debater sobre as opiniões divergentes e se unir no segundo turno para eleger um presidente desse campo ideológico.

As aulas do curso, abertas aos interessados, são realizadas semanalmente, das 19h às 22h, no auditório da sede do Sindicato dos Bancários, em Osasco (Rua Castelo Branco, 150).

big banner