• Hoje é: sábado, dezembro 7, 2019

Youssef diz que dinheiro era para Cunha

Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha fala sobre a pauta de votações da casa (Valter Campanato/Agência Brasil)
portalregiaooeste
abril08/ 2016

O doleiro Leonardo Meirelles, delator na Operação Lava Jato, disse que não tem como afirmar se fez operações financeiras com Eduardo Cunha na Suíça, mas que ouviu o nome do presidente da Câmara dos Deputados em uma conversa com o doleiro Alberto Youssef. Meirelles fazia operações ilegais de remessa de dinheiro a pedido de Youssef. A afirmação foi feita diante do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, onde Cunha é investigado e pode ter o mandato cassado.

Meirelles disse que foram dezenas de empresas que ele fez transferências e que são os investigadores da Operação Lava Jato quem estão averiguando a quem pertence essas empresas. Meirelles e Youssef estão sob investigação da Operação Lava Jato. Youssef permanece preso pela Polícia Federal.

Meirelles deu ainda alguns detalhes das operações financeiras envolvendo a origem e a internalização no país dos US$ 5 milhões que Cunha é acusado de ter recebido como propina no esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

Em suas colaborações com a Justiça, Camargo e Youssef afirmam que o destino dos US$ 5 milhões era saldar uma dívida de propina com Eduardo Cunha. A defesa de Cunha nega, e diz que não há provas de que o dinheiro foi de fato recebido pelo deputado.

big banner