• Hoje é: segunda-feira, fevereiro 17, 2020

Vereadora denuncia calamidade na saúde de Osasco

Regia-Divulgacao
portalregiaooeste
junho22/ 2018

A vereadora Régia Sarmento (PDT) denunciou na sessão de quinta-feira, 21, a calamidade em que se encontra a saúde em Osasco, com falta de medicamentos básicos nas UBSs e pronto socorros, ausência de médicos especialistas na rede, remédios que acabam vencendo no almoxarifado por falta de transporte, e muitos outros problemas. Para ilustrar a grave situação, a parlamentar citou o caso de uma servidora que caiu na escadaria da Câmara de Osasco na tarde de quarta, 20, e que aguardou o socorro, caída no chão, por 1 hora e 45 minutos, e mesmo com vereadores e funcionários ligando para o SAMU, quando o resgate chegou foram duas motos do Corpo de Bombeiros da Lapa, já que não havia ambulâncias em Osasco.

Segundo a vereadora, os pacientes que fazem hemodiálise também estão enfrentando outro grave problema. Como não conseguem fazer o tratamento em Osasco, todos estão sendo encaminhados para a cidade de São Roque. “Os pacientes saem daqui à meia noite de um dia e só retornam à meia noite do outro dia. Isso é desumano. A saúde de Osasco está desumana”, desabafou.

A vida do osasquense que faz tratamento para tuberculose também não está fácil. É que os pacientes precisam buscar seus medicamentos no Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, porque não tem em Osasco. “Essa medicação é garantida por lei, muitos pararam o tratamento porque não encontram o remédio em Osasco”.

Outra questão abordada pela parlamentar é que, atualmente, a cidade conta com apenas um médico endocrinologista para atender um município com mais de 1 milhão de habitantes. “E os problemas não param por aqui. O Centro do Idoso, por exemplo, reinaugurado a poucos dias não tem geriatra. Isso não tem cabimento. A gente está com paciência demais. Contrataram uma OS para termos mais médicos e continuamos sem médicos e sem laboratório. Onde está a renovação? Todos os dias ouvimos promessas e mais promessas como se fosse época de campanha e nada é feito”, concluiu Régia.

big banner