• Hoje é: quinta-feira, outubro 18, 2018

Professores vão decidir em assembleia aprovação da proposta do TRT

Sinproosasco
Jucelene Oliveira
junho07/ 2018

Após um longo e angustiante período de incertezas, recusa dos patrões em negociar e uma marcante e inesquecível mobilização dos professores da rede privada de ensino – que teve seu ponto mais intenso em duas manifestações que pararam a Avenida Paulista nos dias 23 e 29 de maio – os donos de escolas foram obrigados a recuar, e os professores obtiveram uma gigantesca conquista em um cenário bastante adverso, tendo como pano de fundo as novas regras nas relações de trabalho da reforma trabalhista.

Ontem, 6/06, os donos de escolas estiveram reunidos no Sieeesp – Sindicato Patronal – e aprovaram a renovação da Convenção Coletiva de forma integral, que era a grande reivindicação dos professores, com reajuste pela média dos índices de inflação (2,14%), PLR de 15% e pagamento dos dias em que os docentes estiveram parados durante as mobilizações que deram resultado positivo nesta Campanha Salarial.

Com isso, o Sinprosasco – Sindicato dos Professores de Osasco e Região convoca a categoria para nova assembleia no sindicato, no próximo sábado, 9/06 às 13h30. A pauta é a avaliação da proposta sugerida pelo TRT e SEMESP, na última quarta-feira, 5.

O Sieeesp havia proposto alterações na convenção, que estabelece direitos específicos da categoria, o que levou os docentes a paralisarem as atividades em 104 colégios.

A proposta aprovada pelos patrões é a de que todas as cláusulas serão mantidas até 28 de fevereiro de 2019, mas reduzindo o reajuste salarial de 3% para 2,14%. Com a reforma trabalhista, a convenção coletiva não foi renovada em março. O Sieeesp propôs alterar algumas cláusulas, como reduzir a bolsa de estudos de dois para um filho de professor e o recesso escolar do fim de ano, de 30 para 20 dias.

Como compensação a um reajuste menor, ficou definido o índice de 15% para o valor a ser recebido de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) – o anterior era de 18%, mas o Sieeesp pedia que fosse redefinido para 12%.

O Sindicato patronal não conseguiu o que queria. A mobilização dos professores em São Paulo e também em Osasco e Cotia – estes últimos base de cobertura do Sinprosasco – conquistaram a compreensão de pais e alunos, ganhou espaço e força nos jornais e internet e mostrou nas ruas que não aceita a precarização do trabalho e a forma autoritária com que foram conduzidas as negociações.

A assembleia está marcada para o próximo sábado, 9/06 às 13h30, no Sinprosasco, na Rua Deputado Emílio Carlos, 937 – Vila Campesina – Osasco.

Jucelene Oliveira – Redação Sinprosasco

big banner