• Hoje é: terça-feira, outubro 23, 2018

“Perdemos um dos grandes ativistas da história de Osasco”, diz Sinprosasco sobre a morte de Espinosa

Antonio Roberto Espinosa
portalregiaooeste
setembro27/ 2018

O jornalista, professor e ativista político osasquense, Antonio Roberto Espinosa, morreu na tarde de terça-feira (25), aos 72 anos, vítima de um câncer no pulmão. Seu corpo foi velado na Sala Osasco (anexa à Prefeitura) e cremado na tarde de quarta-feira (26), no Crematório Bosque da Paz, em Vargem Grande. Espinosa vinha lutando contra o câncer e sua saúde já estava bem debilitada nos últimos meses. No início desta semana, sentiu-se mal em casa e precisou ser internado.

Em julho de 1968, então com 21 anos e cursando o primeiro ano de filosofia na USP, Espinosa participou ativamente da mobilização de estudantes e sindicalistas, que ficou conhecida internacionalmente como a Greve da Cobrasma (Companhia Brasileira de Material Ferroviário), na época uma das maiores metalúrgicas da América Latina. Fez parte da luta armada contra o regime, como dirigente na VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) e na VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares). Foi preso e torturado.

Carregava marcas permanentes da ditadura militar brasileira (ficou surdo e perdeu muitos dentes). Também assistiu à tortura de sua companheira Dodora e do um amigo, Chael, que veio a morrer no Dops em decorrência de um golpe de fuzil no peito.

No jornalismo, foi diretor na editora Abril e fundou o jornal “Primeira Hora”, que foi um dos principais jornais da história de Osasco. Também foi professor adjunto do curso de Relações Internacionais da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios, no campus Osasco da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Na história recente do Unifieo, tradicional faculdade de Osasco, Espinosa participou ativamente de todas as manifestações em oposição às arbitrariedades cometidas pela instituição contra os professores universitários. O martírio dos professores começou em outubro de 2015. Os docentes ficaram meses sem receber salários, foram demitidas por justa causa em razão da greve legítima que iniciaram e ainda tiveram de enfrentar uma briga judicial, a fim de ter seus direitos assegurados. Espinosa foi um militante presente e atuante no movimento e na luta desses professores.

“Em nome do Sinprosasco deixo aqui meu pesar e minha solidariedade à família e amigos”, disse Salomão de Castro, professor e secretário-geral do Sindicato dos Professores de Osasco e Região. “Infelizmente perdemos um grande combatente. Queremos expressar nossa profunda tristeza com a notícia do falecimento desse estimado amigo e companheiro de lutas”, concluiu.

Geraldo Ferreira da Silva, diretor e tesoureiro do Sinprosasco, relembra a relação de amizade que teve com Espinosa, e também destacou sua admiração pelo companheiro de luta.

“A primeira passeata que eu participei foi em abril de 1968, organizada pelo Centro de Estudantes de Osasco. Ela teve início às 19h em frente ao CENEART. Lembro-me que Espinosa era a principal liderança daquele movimento. Durante o trajeto, paramos três ou quatro vezes para ouvir seu discurso”, relembra.

Para Geraldo Silva, Espinosa foi uma grande influência em sua militância, pelo exemplo de luta e trabalho realizado. “Posso afirmar que Espinosa demonstrava uma sede de justiça muito grande contra a exploração e opressão do povo. Ele passou, a partir daquele discurso, a ser minha inspiração. Foi então que comecei minha militância”, explica. “Daí o meu respeito à sua trajetória de luta como militante de esquerda. Por isso, acredito que o comandante Espinosa passará para a Historia, não só de Osasco, mas também do Brasil”, concluiu.

Além do Sinprosasco, outras personalidades políticas e sindicais de Osasco e região manifestaram pesar pela morte do jornalista, que deixa duas filhas.

“Lamentamos a morte do companheiro Espinosa. Ele nos deixa num momento em que o Brasil vive as consequências de mais um golpe, num período eleitoral marcado pela divisão de projetos de país, que desfruta de uma Democracia ainda em transformação, mas para qual ele teve papel fundamental em ajudar a construir. Espinosa, presente, na luta, sempre!”, declarou o Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região.

Para mais notícias e informações, consulte o site do Sinprosasco: http://www.sinprosasco.org.br.

Jucelene Oliveira
Redação Sinprosasco

big banner