• Hoje é: quinta-feira, outubro 18, 2018

Para Dilma, delação da Andrade cria ‘ambiente propício ao golpe’

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff participa de encontro com mulheres em defesa da democracia, no Palácio do Planalto (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
portalregiaooeste
abril08/ 2016

A divulgação de delação premiada que aponta financiamento de sua campanha eleitoral com propina foi classificada, pela presidente Dilma Rousseff, como um “vazamento premeditado e direcionado” com objetivo de criar um “ambiente propício ao golpe” às vésperas da votação do impeachment no plenário da Câmara.

A declaração foi dada em evento, nesta quinta-feira (7), no Palácio do Planalto. Dilma afirmou ainda que, nos próximos dias, poderá haver “vazamentos oportunistas e seletivos” e informou que pediu ao Ministério da Justiça que tome medidas judiciais cabíveis.

A presidente também destacou que “passou de todos os limites” o que chamou de “seleção muito clara de vazamentos” no país. “Na trama golpista, gostaria de destacar o uso de vazamentos seletivos. A nossa Constituição Federal garante a privacidade e proíbe vazamentos que hoje são premeditados e direcionados, com claro objetivo de criar ambiente propicio ao golpe”, criticou.

Além disso, Dilma voltou a chamar um impeachment sem a comprovação de crime de responsabilidade fiscal contra o presidente de “golpe”. “Submeter-me ao impeachment ou pedirem que eu renuncie é um golpe de Estado. Um golpe dissimulado, com pretexto e verniz de legalidade”. “Não perco o controle, não perco o eixo, não perco a esperança. Porque sou mulher e me acostumei a lutar por mim e pelos que amo.”

No mesmo evento, a presidente criticou reportagem da revista “Istoé”, segundo a qual a petista passa por desequilíbrios emocionais e tem tomado medicamentos para o humor. Ela afirmou que ficou “indignada” com a reportagem e lembrou que acionou a AGU (Advocacia-Geral da União) para processar a publicação por “crime contra a honra” e solicitar direito de resposta.

“É uma peça de ficção para ofender a mulher e a presidente. É um texto muito baixo, que reproduz um tipo perverso de misoginia para dizer que, quando uma mulher está sob pressão, costuma perder o controle”, disse.

big banner