• Hoje é: quarta-feira, julho 18, 2018

Ministério da Saúde diz que tem vacina para todo o público-alvo

São Paulo - Vacinação dos profissionais de saúde contra H1N1 no Hospital das Clínicas (Rovena Rosa/Agência Brasil)
portalregiaooeste
maio03/ 2016

O Ministério da Saúde informou, por meio de nota, nesta segunda-feira (2), que não há falta de vacina para proteção do público prioritário na Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza deste ano. No primeiro dia da campanha, que começou no último sábado, os estados brasileiros haviam recebido 71% do total das doses que vão ser utilizadas no decorrer de toda a campanha, que vai até o dia 20 de maio.

De acordo com a pasta, foram adquiridas cerca de 54 milhões de doses da vacina para imunizar as 49,8 milhões de pessoas que fazem parte do público-alvo da campanha. O excedente, que neste ano é de mais de 4 milhões de doses, é chamado de reserva técnica e faz parte da estratégia de vacinação.

Vale ressaltar que todos os anos o Ministério da Saúde recebe a vacina em etapas do laboratório produtor e, à medida que chegam, são distribuídas, imediatamente, aos estados. É de responsabilidade dos estados o envio aos municípios. Até o próximo dia 13 de maio 100% das doses da vacina serão entregues aos estados brasileiros.

Até a última sexta-feira (29), o Ministério da Saúde disponibilizou às secretarias estaduais de saúde mais de 38 milhões de doses da vacina, o que corresponde a 71% do total de doses adquiridas para este ano. Desde o dia 1º de abril, o Ministério da Saúde iniciou o envio da vacina aos estados, o que possibilitou a antecipação da campanha em diversos municípios.

O público-alvo da campanha é composto pelos segmentos da população considerados de risco para complicações por gripe: pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), detentos e os funcionários do sistema prisional. As pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis, que inclui pessoas com deficiências específicas, também devem se vacinar.

big banner