• Hoje é: domingo, setembro 23, 2018

Lins demite ouvidor Carlão da Habitação e mais 6 comissionados

Foto Facebook
portalregiaooeste
setembro10/ 2018

Caiu mais um nome do primeiro escalão do governo Rogério Lins (PODEMOS). Agora foi a vez do Carlão da Habitação (PRCB), exonerado na última quinta, 6, do cargo de Ouvidor Geral da Prefeitura. Carlão levou junto outros seis servidores comissionados que, agora, também terão que deixar seus empregos. Há informações que a exoneração foi uma represália de Lins porque ele não apoia a candidata à reeleição, deputada federal Renata Abreu. O prefeito, que é do mesmo partido da candidata, quer mostrar serviço e quem não apoiá-la corre o risco de ser demitido.

Essa é a décima alteração no secretariado do prefeito Rogério Lins desde o início deste ano. A mais recente havia sido de Franz Felipe, que deixou a Secretaria da Comunicação, em 5 de julho, para cuidar da campanha eleitoral do Podemos, partido de Lins, na região. Em seu lugar assumiu a então secretária-adjunta, Renata Polleti. Já em  6 de julho foi publicada exoneração do arquiteto Angelo Melli, que deixou a Secretaria da Habitação.  Melli pediu para deixar o governo, por motivos pessoais. Em seu lugar, em 19 de agosto, foi nomeado o engenheiro Aguinaldo Lopes Quintana Neto.

Desde o começo do ano, o prefeito vem encontrando dificuldades em seu primeiro escalão. Em julho passado, a secretária de Comunicação Renata Poletti de Sousa, proprietária da empresa Rango Publicidade LTDA, foi condenada por improbidade administrativa e deverá ressarcir a Prefeitura de São Caetano do Sul. A decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo no processo 1004268-78.2016.8.26.0565 código 9174438 sobre irregularidades em contrato firmado, em 2016, com a administração pública, foi publicada dia 25. Os valores ainda serão definidos pela justiça, mas só de honorários advocatícios, já que perdeu a ação, terá que desembolsar R$ 20 mil.  As suspeitas sobre a empresa de Poletti, foram levantadas pela forma relâmpago que se estabeleceu no município. Em apenas três meses, a Rango se instalou, mudou de atividade e ganhou licitação para gerir cerca R$ 13 milhões de recursos públicos. Depois de tentar emplacar sua agência e ser denunciada ao Ministério Público, Poletti veio parar em Osasco pelas mãos do prefeito Rogério Lins. Assumiu como secretária-adjunta e depois da exoneração de Franz Felipe, no mês de julho, ela assumiu a pasta.

Antes disso, 4 secretários haviam desembarcado da gestão em menos de 2 meses. Além de Franz Felipe e do arquiteto Angelo Melli, o primeiro a abandonar o barco foi Valdeci Magdaleno que não aguentou a pressão e pediu para sair da Secretaria de Segurança e Controle Urbano, depois foi Rafael Paes, Presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Osasco, trocou a Sica (Secretaria de Indústria e Comércio) pela Fecomércio.

big banner