• Hoje é: sexta-feira, dezembro 6, 2019

Lapas: um tucano em ninho petista?

  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
  • 2147
portalregiaooeste
abril03/ 2016

Durante todo o primeiro mandato do prefeito Emidio de Souza, Lapas foi filiado ao PSDB, partido ao qual ingressou em 1989. Ele só filiou-se ao PT em 2008

A saída do prefeito Jorge Lapas do PT, ao mesmo tempo em que embaralhou o cenário eleitoral em Osasco, trouxe à tona alguns aspectos desconhecidos da relação do agora pedetista com sua antiga legenda.

Na carta aberta à população em que anuncia sua mudança para o PDT, ele afirma que, por 11 anos, foi filiado ao PT. Sendo assim, inicia sua contagem em 2005, ano em que assumiu a Secretaria de Obras na gestão do ex-prefeito Emidio de Souza, que se iniciava.

Mas documentos de filiação partidária apontam que o ingresso de Lapas ao PT só aconteceu mesmo em 2008. Antes disso, ele era filiado ao PSDB, partido ao qual se filiou em março de 1989. Em outras palavras: por 3 anos Lapas foi um tucano em ninho petista.

Ainda no final de 2004, quando o governo Emidio estava sendo formado, Lapas, que era engenheiro concursado da Prefeitura de São Paulo, foi indicado pelo ex-deputado federal João Paulo Cunha para ser o Secretário de Obras. Em janeiro de 2005, Lapas assumiu o cargo e até chegou a assinar uma ficha de filiação ao PT de Osasco, mas sem ter se desligado do PSDB.

Em documento, datado de 9 de junho de 2008, e endereçado ao juiz da 332ª zona eleitoral – Wilson Lima da Silva – ele afirma que “tendo problemas para se filiar em 2005, autorizou o PT a reenviar sua ficha de filiação em 2007, tendo sido novamente notificado de dupla filiação”. E completa com uma justificativa, no mínimo, curiosa: “em virtude de não conseguir localizar os dirigentes do partido anterior para assinatura da carta de desfiliação, solicita a esse digno juiz que seja considerada sua opção partidária, ou seja, o Partido dos Trabalhadores”.

Foi só em 2008, quando o governo Emidio já estava consolidado, com grande aprovação, e caminhando para reeleição, que Lapas finalmente formalizou sua filiação ao PT. Com isso, sua saída, agora anunciada, acontece há menos de 8 anos do ingresso no partido, e não há 11, como ele afirma.

Mas não foi só em termos de datas e filiações que Lapas se mostrou estranhamente em relação ao partido. Na carta, ele afirma que, dentre os motivos que o levaram a deixar o PT, está o fato de uma ala ter defendido prévias para a escolha do candidato da legenda à prefeitura, ao invés de apoiar automaticamente sua candidatura. Um argumento no mínimo estranho para quem ingressa em um partido cuja realização de prévias, com escolha democrática de seus candidatos, é um dos pilares de sua fundação.

Linha do tempo

big banner