• Hoje é: sábado, setembro 22, 2018

“Greve UNIFIEO” resgata a luta e a força dos docentes de Osasco

Greve Unifieo
portalregiaooeste
julho04/ 2018

Na última sexta-feira, 29, foi exibido no Sindicato dos Bancários, em Osasco, o filme “Greve UNIFIEO” produzido por Paulo Sérgio Silva. O documentário retrata a árdua, organizada e engajada greve ocorrida no Centro Universitário UNIFIEO em 2016, protagonizada por mais de cento e cinquenta professores universitários que estavam há meses sem receber seus salários e sem qualquer proposta de negociação para normalizar tal situação.

Para o diretor do filme e também professor da FIEO, Paulo Sérgio, o filme foi produzido com duas intenções:

“Acho que o documentário é uma forma de homenagear os professores, que foram muito guerreiros e profissionais, trabalhando por meses sem receber seus salários. Nenhum deles entrou em sala de aula e reclamou da situação para os alunos. Muito pelo contrário: sempre colocávamos um sorriso no rosto e dávamos nossas aulas com respeito e dignidade, e com muito carinho pelos alunos”, disse na estreia do filme.

Outro ponto que destacou foi sobre a importância da memória. “O filme também foi produzido para servir de documento histórico, porque afinal, a história de luta e união dos professores, que gerou a greve, precisa ser contada para a sociedade e também para outras gerações. Todos precisam saber o que aconteceu na FIEO, como os professores universitários foram tratados, como foi importante o apoio dos alunos, a participação do Sindicato dos Professores, e como reagimos a todos esses impasses”, explicou.

Conhecida em Osasco pela tradicional qualidade do ensino que oferecia, a FIEO começou a enfrentar uma grave crise financeira em outubro de 2015, o que culminou em sistemáticos atrasos de pagamento de salários e, posteriormente, na demissão de mais de 70 professores, em junho de 2016. E como se isso já não fosse o bastante, no início de fevereiro de 2017, os professores grevistas do UNIFIEO foram arbitrariamente demitidos pela instituição por meio de telegrama. Eles estavam em greve desde o dia 07/11/2016 devido a um histórico de cinco meses de salários atrasados e décimo terceiro não recebido.

A homologação de 47 professores foi realizada no Sinprosasco – Sindicato dos Professores de Osasco e Região, mas as verbas rescisórias e a multa do FGTS não foram pagas. A instituição alegou não ter dinheiro e eles tiveram de ingressar com ações na Justiça Trabalhista. Alguns optaram utilizar o serviço jurídico e gratuito do próprio sindicato.

As intervenções começaram ainda em outubro de 2015. Foram realizadas assembleias com os professores, tanto no sindicato quanto na própria instituição, publicações no site, assembleias, panfletagem na porta da faculdade, denúncias na DRT (Delegacia Regional do Trabalho), no MPT (Ministério Público do Trabalho) e ações na Justiça Trabalhista. Carro de som, reuniões com a reitoria, e-mails encaminhados ao RH e ato público com o apoio dos estudantes e da comunidade foram outras tentativas de denunciar e conter as arbitrariedades da faculdade. Por fim, os docentes aderiram à greve, um direito assegurado pela Constituição.

A atuação do Sinprosasco na luta dos docentes foi importante e decisiva, e o documentário registra bem isso. Antes do sindicato ser procurado pelos docentes – quando não havia arbitrariedades cometidas pela instituição – caracterizava-se uma acentuada resistência dos docentes em relação ao movimento sindical. Alguns por desconhecimento do papel da instituição; outros, por uma visão equivocada dela.

Mas assim como ocorreu no UNIFIEO, outras instituições estão ultrajando o professor e colocando-os em condições desumanas de trabalho, desrespeitando a Convenção Coletiva. E não há dúvidas de que a resistência dos professores a ação do sindicato é a chave para que as instituições façam o que querem com os professores.

Infelizmente ainda não se sabe como será o desfecho dessa história, mas a luta e a organização da categoria não foram em vão. O documentário já pode ser conferido no Youtube: https://youtu.be/d-LfB7m7LP8. Todo o histórico da situação ocorrida no UNIFIEO pode ser conferido no site do Sinprosasco: http://www.sinprosasco.org.br.

Jucelene Oliveira
Redação Sinprosasco

big banner