• Hoje é: sexta-feira, julho 3, 2020

Em plena crise da saúde Rogério Lins gasta mais de 50 milhões sem licitação e MP suspeita de fraude.

Rogerio 02
portalregiaooeste
abril29/ 2020

Denuncia foi mostrada na Globo e está sendo investigada pelo Ministério Público

O prefeito de Osasco Rogério Lins, do Podemos, contratou sem licitação, o Instituto Esperança e Vida, por mais de R$ 50 milhões, para a gestão (terceirização) de 18 Unidades Básicas de Saúde e dois Centros de Terapia Intensiva (CTI) para tratamento de pacientes do Covid-19. O primeiro contrato (UBSs) ficou em R$ 28 milhões e o segundo (CTIs) em R$ 23 milhões.

Acesse o link e veja a matéria completa da Globo.
Conforme matéria veiculada hoje (29/04) no SPTV, na Rede Globo, a Prefeitura de Osasco está sendo investigada pelo Ministério Público Estadual (MPE) por firmar esses contratos emergenciais sem licitação.

De acordo com a denuncia do MP, os promotores também querem saber sobre a falta de equipamentos de proteção individuais (EPIs) a profissionais da saúde, a qualidade dos materiais e aumento nos salários dos gestores. A reportagem constatou situação de abandono em algumas unidades, como na UBS Francisco Dias da Silva. “O posto está sujo, abandonado e com falta de manutenção”, afirmou o aposentado Orlando Cardoso.

Uma Ação Popular foi movida por Eduardo Dias, conselheiro de saúde, para apurar esses desvios com o Instituto Esperança e Vida, responsável pela gestão dos Centros de Terapia Intensiva (CTI), específico para atender pacientes acometidos pelo Coronavírus, localizados no Santo Antônio e no Pronto-Socorro Osmar Mesquita, no Jardim Helena Maria (zona Norte) .

O Prefeito Rogério Lins enviou apenas uma nota tentando justificar as contratações dizendo “que já estava prevista a contratação”. Eduardo Dias, autor da ação, afirma, entretanto “que se estava prevista, porque foi feito um contrato emergencial e sem licitação?”, mostrando uma grave contradição do Prefeito.

Funerária
O prefeito também fará a contratação emergencial de cinco carros funerários com motorista. O contrato vale por 180 dias, ao custo de quase R$ 1,1 milhão. A autorização foi publicada na última edição da Imprensa Oficial. Também foi autorizada a contratação emergencial de nova fornecedora de equipamentos de proteção individuais (EPIs) a profissionais da saúde, em contrato válido por dois meses, a R$ 344,7 mil.

Osasco contabiliza 89 mortes pelo novo coronavírus e 929 casos confirmados até o momento, segundo boletim oficial desta terça-feira, 28.

Após contratar os carros funerários, em vídeo Rogério Lins pede “à todos que se unam em jejum e oração a Deus”. “O prefeito em vez de pedir para orar deveria se preocupar em gastar melhor os recursos públicos”, alfinetou o Vereador Tinha.

big banner