• Hoje é: quarta-feira, janeiro 29, 2020

Deputada denuncia que PSDB pagou R$ 45 mil por parecer do impeachment

Jandira-Feghali
portalregiaooeste
abril30/ 2016

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) postou em seu Facebook texto em que aponta a “confissão” da advogada Janaina Paschoal sobre o pagamento de R$ 45 mil feito pelo PSDB sobre o parecer do impeachment. Segundo ela, a advogada confessou no Senado ter recebido o montante.

Os juristas Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal apresentaram à Comissão Especial do Impeachment na quinta-feira(28), os argumentos que usaram para fundamentar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A reunião da comissão durou 9 horas entre apresentação dos denunciantes e questionamentos dos senadores.

Janaína Paschoal foi a responsável por defender os principais pontos do pedido de impeachment. Miguel Reale precisou sair logo após sua apresentação, e Hélio Bicudo, que também assina o pedido, não compareceu por razões médicas. Em sua explanação, Janaína descreveu o que classificou como os três pilares que sustentam o pedido: o escândalo do petrolão, revelado a partir das investigações da Operação Lava Jato, as chamadas pedaladas fiscais e a edição de decretos de créditos suplementares sem autorização do Congresso.

Ela sugeriu aos senadores que não se orientem apenas pelo relatório da Câmara dos Deputados — restrito às pedaladas e aos decretos presidenciais — mas que, ao julgar o pedido de impedimento, “se debrucem sobre toda a peça”. O líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), ressaltou que o pedido de impeachment nasceu de um parecer encomendado pelo PSDB, pelo qual Janaína Paschoal teria recebido R$ 45 mil.

Durante sua fala, Reale Júnior fez um desagravo aos familiares dos que morreram nas mãos do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932-2015). Ele disse lamentar que o pedido de impeachment tenha servido para “uma homenagem a um torturador”, em referência à citação do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) durante seu voto pela abertura do processo na Câmara dos Deputados, no dia 17 de abril.

big banner