• Hoje é: segunda-feira, junho 24, 2019

Conferência de Saúde de Osasco debate propostas e moções polêmicas

Conferência Municipal de Saúde.
Paulo Marcelino
abril08/ 2019

Com o tema Democracia, Equidade e Saúde, foi realizada nesse sábado (6), no Centro de Formação dos Professores, a 7ª Conferência Municipal de Saúde de Osasco, etapa municipal obrigatória para debates e escolha de delegados para a Conferência Regional. A Conferência elaborou coletivamente propostas para a melhoria da saúde em todas as suas dimensões, como preconiza a Constituição Federal de 1988 e outras legislações ligadas ao tema.

O encontro também foi palco de apresentação de moções que levaram a debates acalorados entre conselheiros contra e a favor dos documentos apresentados para discussão. Uma dessas moções aprovada pelo plenário partiu de um grupo de delegados do segmento usuários, e pedia, no âmbito da Câmara Municipal de Osasco, a instalação de uma CPI da Saúde, “para apurar as irregularidades e restabelecer o redirecionamento das unidades com gestão séria e pública competente e uso adequado do dinheiro público” diz a moção apresentada. Segundo uma das autoras do documento, trata-se da contratação das OSS (Organização Social da Saúde), que gerenciam o Hospital Antônio Gíglio e as três UPAS da Cidade.
Outra moção submetida ao plenário, mas não aprovada, de autoria do conselheiro Eduardo Dias. Tratava-se de uma menção de repúdio ao novo secretário de saúde, o médico ortopedista DR Fernando Machado de Oliveira, que, nas últimas eleições à presidência da república, vestia uma camiseta com os dizeres “Lula morra por favor”. O autor justificava a apresentação da moção, alegando que tais manifestações de promoção da violência não condizem com a profissão, com o juramento e com o código de ética a que todos os médicos estão submetidos. E, neste caso em particular, com o agravante de que o mesmo profissional foi recentemente nomeado como secretário da saúde de Osasco, pelo prefeito Rogério Lins(Podemos), e tem a responsabilidade de cuidar da vida e da saúde dos milhares de munícipes da cidade.

Para a presidente reeleita do Conselho Municipal de Saúde, Luísa Ivana Almeida da Silva, “os resultados foram muito bons, saíram boas propostas. As atividades que nós fizemos e que antecederam essa conferência foram muito proveitosas. A comunidade entendeu, a população osasquense entendeu o chamamento dessa conferência esse ano, o que seria e qual a grandeza e o que ela representa, e nada mais é do que a reafirmar a democracia”. Ela acredita que, “daqui para frente, o controle social(da saúde) será de fato fortalecido”,finaliza.

big banner