• Hoje é: domingo, agosto 18, 2019

Comércio elimina 66 mil empregos e tem pior primeiro semestre desde 2007

Comercio
portalregiaooeste
agosto18/ 2016

Nos seis primeiros meses deste ano, o comércio varejista do Estado de São Paulo eliminou 66.602 empregos. Esse foi o pior saldo de um primeiro semestre desde 2007. Somente em junho, o varejo paulista fechou 5.614 postos com carteira assinada. Com isso, o estoque ativo de trabalhadores atingiu 2.063.427 no mês, redução de 3,5% em relação a junho de 2015. Mesmo sendo uma perda maior que as 3.730 vagas extintas em maio, o saldo negativo é menor do que o registrado em junho de 2015 quando 6.810 empregos formais foram cortados.

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Na segmentação por porte, observa-se que apenas as empresas com até 4 funcionários geraram novos postos de trabalho no acumulado de janeiro a junho deste ano. O saldo foi positivo em 15.909 empregos formais. Segundo a assessoria econômica da Fecomercio, provavelmente o empreendedorismo e os comércios de bairro foram responsáveis por esse crescimento.

Das nove atividades pesquisadas, apenas os estoques de trabalhadores dos segmentos de farmácias e perfumarias (1,9%) e de supermercados (0,1%) cresceram em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os destaques negativos foram os setores de lojas de móveis e decoração (-8,2%), concessionárias de veículos (-7,9%) e de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-7,9%). Com relação aos dados por ocupações, as funções que registraram as maiores perdas foram as de vendedores e demonstradores, com a eliminação de 804 postos de trabalho em junho, seguida pela de escriturários em geral, agentes, assistentes e auxiliares administrativos, com a extinção de 624 vagas, e pelos gerentes de produção e operações (-539 vagas).

big banner