• Hoje é: quinta-feira, janeiro 21, 2021

Base aliada de Alckmin domina composição da CPI da Merenda

Rio de Janeiro - O governador Geraldo Alckmin, de São Paulo, após visitar o governador Luiz Fernando Pezão em sua residência, no Leblon (Fernando Frazão/Agência Brasil)
portalregiaooeste
junho17/ 2016

A Assembleia Legislativa de São Paulo definiu esta semana os integrantes da CPI da Merenda, criada em 30 de maio para investigar a suspeita de fraude do fornecimento de alimentos para escolas estaduais.

A ampla maioria dos integrantes é da base aliada do governador Geraldo Alckmin. Dos nove participantes, apenas um é de posição: o deputado estadual Alencar Santana (PT). Os demais são Marcos Zerbini (PSDB), Barros Munhoz (PSDB), Estevam Galvão (DEM), Adilson Rossi (PSB), Jorge Caruso (PMDB), Gilmaci Santos (PRB), Coronel Camilo (PSD) e Delegado Olim (PP).

A CPI tem prazo de funcionamento de 120 dias. O pedido de instauração foi feito pelo PSDB no dia 10 de maio, logo após os estudantes ocuparem o plenário da Casa. A oposição tentava emplacar requerimento sobre o tema desde fevereiro, mas focava no governo Alckmin. Já a proposta dos tucanos, que acabou aprovada, tem como alvo as prefeituras acusadas de integrar esquema de fraude.

Segundo o Ministério Público, uma cooperativa de agricultores, a Coaf, assinou ao menos R$ 7 milhões em contratos com 21 prefeituras, além do governo estadual, somente entre 2014 e 2015, para o fornecimento de alimentos e suco para a merenda. Ainda de acordo com a Promotoria, parte desse valor era usada no pagamento de intermediários e agentes públicos que atuavam para facilitar ou fraudar as licitações para beneficiar a cooperativa. O caso veio à tona em janeiro deste ano.

big banner