• Hoje é: segunda-feira, novembro 20, 2017

Atentados do Estado Islâmico matam 34 pessoas na Bélgica

  • 1758
  • 1758
  • 1758
  • 1758
  • 1758
  • 1758
  • 1758
  • 1758
portalregiaooeste
março23/ 2016

Ataques coordenados, envolvendo três explosões na manhã desta terça-feira, em Bruxelas, na Bélgica, deixaram 34 mortos e mais de 200 feridos. Foram duas explosões no aeroporto internacional, causando 14 mortes, e outra na estação de metrô de Maelbeek, com outros 20 óbitos.

Logo após a ação, a organização terrorista Estado Islâmico assumiu os ataques. “Combatentes do Estado Islâmico realizaram uma série de atentados com cintos explosivos e dispositivos na terça-feira, alvejando um aeroporto e uma estação de metrô central na capital belga, Bruxelas”, dizia o comunicado.

Ao menos uma das explosões foi provocada por um homem-bomba. Além disso, um cinturão-bomba não explodido, supostamente pertencente a um terceiro terrorista, foi encontrado no aeroporto e detonado de maneira controlada pela polícia. Também foi encontrado um fuzil AK-47 junto de um corpo que seria de um dos terroristas.

“Aconteceu o que temíamos”, afirmou o premiê belga, Charles Michel, em declarações à imprensa. “Fomos vítimas de ataques cegos.”

As explosões ocorreram quatro dias depois da prisão de Salah Abdeslam, suspeito de ter participado da série de ataques terroristas em Paris, em novembro do ano passado, que deixou 130 mortos.

A TV belga divulgou uma foto que seria dos suspeitos do atentado no aeroporto. Logo depois a polícia fez um alerta de que um dos três estaria foragido e pediu informações sobre ele. Durante todo o dia, foram feitas batidas policiais na capital belga.

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, condenou o que classificou de “atentados cegos, violentos e covardes” que atingiram a capital. “Temíamos um atentado terrorista e aconteceu”, lamentou.

Em um pronunciamento à nação, o rei Philippe da Bélgica disse que ele e a rainha Mathilde compartilham a dor de todos aqueles que sofreram por causa dos ataques “covardes e cheios de ódio”. “Diante da ameaça, continuaremos a responder juntos com firmeza, calma e dignidade”, disse.

big banner